Curriculum Vitae

I.
Manuel Maria Ferreira Carrilho nasceu em Coimbra em 1951, é divorciado e pai de quatro filhos. Viveu até aos 18 anos em Viseu, onde fez os seus estudos até a conclusão do Ensino Secundário. Licenciou-se em Filosofia na Universidade de Lisboa, em 1975, e fez os estudos de Pós-graduação na Universidade Nova de Lisboa. Foi nesta Universidade que, em 1985, fez o Doutoramento em «Filosofia Contemporânea» e, em 1993, fez as provas de Agregação. É titular de filosofia contemporânea, tendo a sua investigação e docência incidido nas áreas da filosofia do conhecimento e das ciências, nas teorias da argumentação e da retórica e nos problemas de comunicação e de política. Desde 1994 que é Professor Catedrático da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde integra o Instituto de Filosofia da Nova.

II.
Foi, entre 1988 e 1990, coordenador do Projecto de Reforma do ensino da disciplina de filosofia no Ensino Secundário. Criou e dirigiu as revistas Filosofia e Epistemologia (1979-84) e Crítica (1987-1993), assim como as colecções «Clássicos de Filosofia» (na Imprensa Nacional-Casa da Moeda), «Opus-Biblioteca de Filosofia» (nas Publicações Dom Quixote) e «Argumentos» (nas Edições ASA). Tem estudos publicados em revistas como Colóquio/Ciências, Cultura, Révue lnternationale de Philosophie, Cultural Dynamics, Raison Présente, Futures, Hermes, Ciência e Filosofia, Periodística, entre outras.

III.
Tem colaboração publicada, muitas vezes regular, em diversos «media»: nos jornais Público, Jornal de Letras, Le Monde, Expresso, Diário de Notícias, bem como em diversos canais televisivos. Internacionalmente, integrou diversas instituições (a Fullbright Comission, a International Society for the Study of Argumentation, o Collège de Philosophie, o Centre Européen pour l‘Etude de l’Argumentation, o Conseil National des Programmes do Ministério da Educação francês, o Institut International de Philosophie, entre outras), bem como “comités” de várias revistas prestigiadas, como Argumentation, Culture/Europe ou Hermes.Fez conferências e intervenções em inúmeros colóquios e debates, em Portugal e em diversos outros países: Brasil, França, Espanha, Alemanha, Áustria, Inglaterra, Grécia, EUA, Bélgica, Canadá, Suíça, etc. Coordenou o programa europeu «A argumentação, um novo paradigma», em que participaram diversas Universidades europeias. Em 1995 foi eleito, na Université Libre de Bruxelles, para a “Chaire Perelman”. É autor de várias obras publicadas em Portugal e no estrangeiro.

IV.
É membro do Partido Socialista Português desde 1986, tendo exercido diversas funções políticas, nomeadamente as de ministro da Cultura dos XIII e XIV Governos Constitucionais, entre Outubro de 1995 e Julho de 2000, tendo sido o responsável pela criação e pela institucionalização do Ministério da Cultura, até então inexistente, e pela definição dos seus objectivos nucleares. Em 2000 assumiu o lugar de deputado eleito à Assembleia da República, onde integrou as Comissões de Negócios Estrangeiros e de Assuntos Europeus. Participou em inúmeros debates políticos e culturais e desenvolveu uma intensa actividade como cronista e comentador de temas políticos em múltiplos media: jornais, rádios e televisões. Em 2005 foi o candidato do Partido Socialista à Presidência da Câmara Municipal de Lisboa. Entre 2002 e 2008 foi Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS. Pertenceu, com pequenas intermitências, à Comissão Nacional do PS desde 1986 até 2008, e à sua Comissão Política desde 1996 até 2008.Em Dezembro de 2008 foi nomeado Embaixador de Portugal junto da Unesco, em Paris, funções que exerceu até 31 de Dezembro de 2010.

V.
Concedeu múltiplas entrevistas, tanto sobre o seu trabalho académico e intelectual como sobre a sua actividade política. Recebeu também várias medalhas e condecorações, nomeadamente, em 1998, a medalha Picasso/Miró da Unesco e, em 1999, o European Archaeological Heritage Prize, da European Association of Archaeologists. Foi galardoado pelo Rei de Espanha, D. Juan Carlos, em 1996, com a Gran Cruz da Ordem de Mérito Civil, o Presidente do Brasil, Fernando Henriques Cardoso, agraciou-o em 1997, com a Grã­-Cruz da Ordem do Rio Branco, e em 1999 o Presidente da República Francesa, Jacques Chirac, atribuiu­-lhe o grau de «Grand Officier» da Légion d’Honneur.

PENSAR O MUNDO

Facebook



ùltima atualização: outubro de 2015

correio@manuelmariacarrilho.pt